Gabinete do Provedor de Justiça cria escritório para proteger os direitos dos cidadãos na internet

A entidade garantiu que desenvolverá campanhas pedagógicas voltadas para a prevenção e reparação de vítimas de direitos violados em contextos digitais.

Guardar

Nuevo

ILUSTRACIÓN - Los cibercriminales operan en parte en la internet oscura. Algunas aseguradoras ofrecen ayuda para encontrar datos perdidos en la darknet. Foto: Franziska Gabbert/dpa
ILUSTRACIÓN - Los cibercriminales operan en parte en la internet oscura. Algunas aseguradoras ofrecen ayuda para encontrar datos perdidos en la darknet. Foto: Franziska Gabbert/dpa

O Índice de Civilidade Digital (ICD) da Microsoft informa que a Colômbia é um dos três países com as piores práticas digitais do mundo. Na América do Sul, mais de 80% dos internautas cometem crimes online e outros 66% se consideram vítimas na mídia digital.

Neste contexto, o Gabinete do Provedor de Justiça decidiu criar um novo gabinete dedicado a essas questões. É uma Ouvidoria Delegada para a Proteção de Direitos em Ambientes Digitais e Liberdade de Expressão.

O responsável destaca que os colombianos, em média, usam a internet em qualquer dispositivo por 9 horas e 38 minutos por dia, o que é cerca de três horas acima da média mundial. Além disso, existem 32 milhões de contas no Facebook, 12 milhões de contas no Instagram, mais de 3 milhões no Twitter e 409.000 no TikTok, dos quais 26,9% são menores.

Soma-se a isso o CID e os números da Polícia Nacional, nos quais é avisado que a cada quatro horas um colombiano é vítima de extorsão nas redes sociais. Da mesma forma, a entidade destaca que a falsificação de identidade de sites na Colômbia aumentou 358% durante a pandemia e a cada ano mais de 35.000 colombianos são vítimas de crimes cibernéticos.

O advogado Camargo ressalta que a tecnologia está atualmente nas mãos de quase todos e disponibilizou cenários em que essa interação ocorre diariamente e massivamente. Ele garante que, assim como a ferramenta é positiva, uma vez que permite que certos direitos sejam exercidos e fortalecidos e as liberdades sejam praticadas, também haja violações deles. O responsável destaca que entre os mais atacados estão a privacidade, a privacidade e a proteção de dados.

A Ouvidoria garantiu que desenvolverá campanhas pedagógicas voltadas para a prevenção e reparação de vítimas de direitos violados em contextos digitais. Foi indicado que o objetivo da entidade é sintonizar os milhões de colombianos que continuam fazendo parte de suas vidas em ambientes digitais e precisam ser acompanhados e garantidos seus direitos.

Chaves para evitar riscos na Internet

1. Não responda nem clique nos links recebidos de remetentes desconhecidos; primeiro verifique se é uma fonte confiável.

2. Altere suas senhas periodicamente e use uma diferente para cada uma de suas contas.

3. Não deixe suas contas abertas em computadores públicos; evite aceitar pessoas que você não conhece em suas redes sociais, mesmo que tenha muitos amigos em comum.

4. Esteja ciente das classificações de privacidade que as redes sociais oferecem para postar conteúdo.

5. Não publique tudo o que você faz ou todos os lugares que você vai. Lembre-se de que essas são informações que os criminosos podem usar.

6. Evite trocar fotos, vídeos ou mensagens íntimas pela Internet. Lembre-se de que ele pode se tornar conteúdo para outros riscos, como cyberbullying ou aliciamento.

7. Evite encontros com pessoas que você conheceu em ambientes digitais; lembre-se de que sempre existe a possibilidade de ser um perfil falso.

8. Controle o tempo de navegação de crianças e adolescentes na Internet, aplicando ferramentas de controle dos pais.

9. Esteja ciente das páginas e plataformas de mensagens instantâneas usadas por crianças e adolescentes.

10. Denunciar e denunciar qualquer situação que viole sua integridade em ambientes digitais através da linha 141 da Polícia Nacional; do Sistema Nacional de Reclamações Virtuais (https://adenunciar.policia.gov.co/adenunciar) e do CAI Virtual da Polícia Nacional em (https://caivirtual.policia.gov.co/).

CONTINUE LENDO:

Guardar

Nuevo